Oficina Produtiva de Artesanato forma “família” e ajuda mulheres em Cavaleiro

Alunas do Núcleo Socioprodutivo da Regional 2 participam de nova exposição e reforçam uma atividade que ajuda na renda e nas relações na comunidade

“Um dia, todo mundo envelhece. E, quando esse dia chega, é preciso ocupar a mente com coisas boas, para poder prolongar ainda mais a vida”. A frase é de Amara Maria, 59, aluna do Núcleo Socioprodutivo da Regional 2 – Cavaleiro. Nesta quarta-feira (17/12), ela e suas colegas de curso participaram da 3ª Exposição da Oficina Produtiva de Artesanato, em Cavaleiro, expondo peças próprias, das 8h às 16h, na Praça Severina Rita Coelho.

Selma Maria, professora de artes, contou que o objetivo do núcleo é ensinar a essas mulheres várias atividades que possam gerar renda para elas. As alunas aprendem a fazer decoupage – que é uma técnica simples de colagem de papel, papelão ou tecido sobre objetos -, pintura e decoração em telha, garrafa e vinil, em caixa de MDF e de leite, entre outras coisas.Todas baseadas na reciclagem destes e de outros materiais.

O Núcleo Socioprodutivo existe há quatro anos e, apesar de a maioria das alunas serem da terceira idade, as atividades são destinadas a mulheres ainda na adolescência, sem idade máxima estabelecida. Selma conta que o que importa é o quão disposta a pessoa é. Como é o exemplo das artesãs Francisca Maria, 59, e Luzia Dalvaci, 63. A primeira é aluna da oficina desde o início das suas atividades. “É muito maravilhoso e gratificante fazer parte destes quatro anos. Eu sou apaixonada por arte e por minhas colegas”, disse dona Francisca. “A gente aprende as coisas de maneira simples, rápida e fica tudo muito bonito!”, completou dona Dalvaci.

A exposição foi uma iniciativa da Regional 2 e do Centro de Referência da Assistência Social de Cavaleiro. Com apoio da Secretaria Executiva da Assistência Social, as oficinas acontecem no Coame. As inscrições podem ser feitas na sede da Regional 2 ou no CRAS, também situados na Praça Severina Rita Coelho. Para se inscrever, é preciso apenas da xerox da identidade e de um comprovante de residência, além de um número de telefone.

O grupo é formado por mais de dez senhoras que, através do artesanato, construíram uma relação que elas mesmas dizem ser como de uma família – unida e, às vezes, ouriçada, mas que, segundo a aposentada Marilene Alves, 71, é cheia de amizade, respeito, caráter, alegria e amor. “Há dois anos, eu encerrei o curso de pintura e não pude continuar, mas não perco uma exposição. Tomei gosto pela iniciativa, pela arte, pela professora e por essa família que formamos”, disse dona Marilene.